domingo, 9 de março de 2014

Superação


Hoje venho eu com mais uma pergunta. Pergunta esta que propus a mim mesmo: quem supera você?
Também proponho esta outra similar: quem pode superar-te?
Leio um livro do Nietzsche  que fala do Übermensch, o além-homem ou super-homem. O nome do livro é:Assim falava Zaratustra: um livro para todos e para ninguém”. Uma de suas propostas é que o homem deve superar-se, e eu concordo plenamente.
É neste ponto. Superar-se. Nesta linguagem que está correto. Não é superar outro, mas superar a si mesmo num ávido crescer interior. Havia eu digitado que o homem é dessemelhante, desigual. Digo agora que é às vezes tão diferente que incomparável faz de si mesmo.
Quem pode se comparar a você? Ninguém, você teve uma vida diferente, com experiências diferentes e presenciou fatos diferentes.
Quem tem o potencial de superar você? Adivinha. Tu tens em exclusivo esta capacidade!
Quem supera você? Dentro deste contesto ninguém. Estou falando da subjetividade e não exatamente da objetividade. Você pode ser superado num recorde, mas quem medirá a tua capacidade interior? Teste de Q.I.? A inteligência é tudo o que há na tua subjetividade para se melhorar? A moral não faz parte de algo que o homem deve melhorar? Teus sentimentos sobre si podem ser melhorados e há uma incomensurável quantidade de qualidades, de “virtudes” que acredito que você queira melhorar.
Pensa no ultimo lastro que passou na tua vida. És igual? És melhor? Foi tempo perdido se não houve superação. Por isso que não perco mais tanto tempo com futilidades, com o que não dignifica, não esclarece, não melhora. Uma leitura reflexiva pode fazer alguém aprender muito mais que as futilidades das musicas que não são só carnavalescas nas épocas de carnaval, que programas e sites que desvirtuam*.

O homem hoje passa por duas batalhas que eu acho especiais: uma é o adultério de sua capacidade, outra a ávida superação.